quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Quando ela é linda comendo McDonald's


Ela já era motivo de preocupação. Não saía do pensamento dele. Torpedos, MSN, ligações novelescas no celular viraram rotina. Não passavam um dia sem se falar nem dois sem se ver. Havia comentado com alguns amigos e até conhecera a irmã dela. O namoro era iminente. Mas ele ainda vacilava com a possibilidade. Não era medo ou fuga. Era incerteza. Precisava e buscava sinais, destes que a vida coloca como se fosse um anúncio luminoso piscante dizendo “VAI”. Encontrou a pseudonamorada no fim de tarde de uma sexta-feira.
- Oi!!!!
- Oiê! Huuuummmm...que camiseta style esta tua! Amei!
- Hahaha....obrigado! Mas minha camiseta passa vergonha do lado da tua calça.  Isto sim é style. Com este laço aí no cinto, parece um presente pra mim!!!!
- Hahahahaha...você lê meus pensamentos!
- Huuuummm...que momeeeento...tá com fome?
- Tô sim! Morta de fome! TPM me dá fome. Quem sabe a gente come um méqui poderoso?
- Bá...agora foi você que leu meus pensamentos!!!
- Siiiiiiimmmmm!!!!
E se foram os dois até um shopping. Sentaram frente a frente. Começaram a comer. E ele só percebeu depois que disse:
- Você fica linda comendo méqui!
Ela não entendeu:
-  Ã?
Ele  sentiu o passo em falso. Havia sido amador no impulso do deslumbre. Mas agora não podia recuar.
- É isso mesmo, sua linda!!! Você fica linda comendo méqui.
-  Aiê...fiquei com vergonha...
Ele sabia que aquilo era um sinal. Ali, sem maquiagem, sem glamou, no meio da multidão, ela era uma ilha de beleza com molho na borda dos lábios e sorriso discreto na mastigação. Nem uma alface no canino mudaria a poesia do contexto. E se uma mulher é encantadora comendo McDonald's na TPM, não é errado pensar que ela vai ser inspiradora sempre. Letreiros gigantes começaram a piscar no horizonte do campo de visão dele dizendo: “VAI” “VAI” “VAI”.
Terminaram a refeição, procrastinaram a saída, continuaram a conversa.
- Assim, só pra constar! Fiquei com vergonha...mas amei saber que fico linda comendo um méqui! Acho que foi o elogio mais original que já recebi. 
-  Mas é mesmo! Vou até falar de novo, sua linda! Você fica linda comendo méqui!
- Um dia me disseram que a beleza está nos olhos de quem vê!
- É, pode ser. É algo subjetivo, né!
- É...eu gosto do que é subjetivo. O exato e o concreto são muito chatos!!!
- Mas o subjetivo é relativo. Aliás, o subjetivo é subjetivo!
- É...só que acabei de ter  uma ideia concreta sobre este assunto.
- É? Qual?
- Que isto é conversa pra mesa de bar! É num bar que se  fala sobre o que é subjetivo! 
- Nossa, assim eu me apaixono. Que bar?
- Sei lá...bar, boteco...só sei que é hediondo este tipo de discussão sem cerveja ou chopp!!!
De novo, ele só percebeu depois que disse:
- Mas só você namorar comigo...
Ela, de novo, não entendeu nada:
-  Ã?
De novo, ele  sentiu o passo em falso. De novo, foi no impulso do deslumbre. Só que não sentiu vontade de recuar:
- Eu vou, mas com uma condição. Só se você namorar comigo!!!!
Ela  aceitou e o namoro começou naquele instante. No sorriso dela, viu a certeza da atitude. Afinal, os sinais não mentem. A beleza produzida impressiona, mas é a beleza do cotidiano que cativa. Quando, na mesma noite, uma mulher é linda comendo McDonald's e intima um homem pra tomar chopp num bar e gastar conversa sobre o que é subjetivo, ela não é uma mulher qualquer. Ela é uma mulher pra conviver. E o prazer da convivência é o principal prenúncio do namoro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário