quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Homens, as futuras mulheres de ontem

Este texto é uma aposta. É um exercício de futurologia.

Acredito que esta década é uma espécie de apogeu do gênero masculino. E daqui para diante, é só  ladeira abaixo.

O desenho comportamental do mundo se apresenta de uma maneira, cuja dinâmica favorece elas. E tão somente elas. Todos os movimentos em todas as áreas da sociedade indicam esta realidade futura, com um declínio acelerado do prisma masculino de existência. Esta transformação fará dos homens as futuras mulheres de ontem.

Como comentei noutros textos, o modelo econômico, o legado histórico e as questões comportamentais fazem com que os tempos atuais sejam uma espécie de oásis para os cromossomos Y. Sexo fácil, ausência de vínculo e o fim da completa responsabilidade financeira numa relação a dois são apenas alguns dos combustíveis que movem o mundo numa direção mais promíscua e individualista, como sempre foi o universo masculino. 

Porém, aos homens, ao mesmo tempo em que isto é celebrado, traz consigo um ar de intimidação. À maioria de nós, senão a todos os varões, ainda há uma espécie de bagagem cultural e/ou moral, que induz à lógica de controle ou domínio da situação, com prerrogativas de comportamento. E hoje, como todos sabemos, a promiscuidade é para eles e para elas. A banca paga e recebe.

E assim, muitos homens, ainda inaptos à ausência de controle, domínio e amplitude moral do passado recente, simplesmente não sabem como agir. Diante da dúvida, impõem-se pela força, causando tragédias diárias através da violência contra a mulher ou se retraem, buscando no álcool ou na carreira profissional alguma outra forma de autoafirmação.

De todo o cenário que se apresenta, há dois elementos que cumprem papel fundamental na consolidação da supremacia feminina no futuro próximo: o mundo politicamente correto e a falência do casamento.

O mundo politicamente correto, em muitos de seus valores, é praticamente uma visão feminina de mundo. Características masculinas de conduta, como a agressividade, uso da força, imposição, fanatismo, segregação hoje já soam como inadequadas ou ilegais. Em breve, as mesmas serão aberrações. E assim, diante deste novo ciclo, todos os homens já passam desde os tempos de hoje por um processo de enquadramento e terão de adotar sim, muitos dos elementos que fazem parte do universo feminino.  

Já a falência do casamento representa o fim do poder de barganha masculino. Até bem pouco tempo, a tolerância feminina aos desvios machistas se sustentava no sonho de enquadrar-se no modelo de mulher casada com filhos. Hoje, com o colapso desde padrão e a independência feminina, os homens deixaram de tornarem-se necessários às mulheres. São úteis, mas não necessários.

Enfim, já vivemos um processo no qual o gênero masculino está em adaptação ao modo feminino de viver. De agora em diante, penso, haverá um aprofundamento desta nova proposta.  Em partes, é só uma inversão. E os homens estarão a fazer o que elas fizeram desde que a humanidade existe até os tempos atuais.


Nisto tudo, só tenho um medo: que elas queiram vingar suas mães, avós e todas suas ancestrais.

Daí fodeu.

2 comentários:

  1. Essa ideologia da liberdade feminina não é assimilada de forma correta por algumas pessoas (homem e mulher), provar que é capaz de pagar uma conta, mandar no seu nariz, decidir seu futuro e até o simples fato de poder escolher traz a voracidade de provar que a mulher é capaz de tudo. E é, mas deixar o homem continuar fazendo seu papel é fundamental para mantermos o equilíbrio e a ordem dos gêneros. Fico pensando no que será certo ou errado e diferente daqui alguns anos para os meus filhos (um casal) de 3 e 7 anos, minha filha menor diz que azul é de menino, aquele filme é de menino ou menina, tudo ela classifica por gênero, mas eu tento desconstruir o que acho exagero e assim brincamos de carrinho e digo que as cores são lindas e foram feitas para todos, mas sinceramente eu não sei o que me espera quando a adolescência deles chegar, mas eu ainda sei diferenciar as coisas e estarei por perto para orientar. Eu não quero igualdade entre os sexos onde tudo que um faz o outro faz tbm, eu quero igualdade de RESPEITO. Quero que os homens parem de se basear nas atitudes femininas para se intitularem de vítimas da nossa evolução: Sexo fácil existe porque tem público para aproveitar. A mulher admite muitas coisas pra ela porque tem homem que acha isso confortável e conveniente. Cada um ASSUMINDO seu papel faz com a ordem siga. Ponham-se nos seus devidos lugares.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Melissa! Pois é a modificação destes lugares que vem deixando tudo diferente. Não sei se é algo temporário ou definitivo. Só sei que é um fato. Vamos ver o que o futuro desenha. Quem disser que sabe o que vai ser daqui pra frente, está só arriscando. Não há como saber. Bj e obrigado pelo prestígio da leitura!!!!

    ResponderExcluir